terça-feira, 18 de junho de 2013

 
Estudantes chegam ao Centro do Rio
para remover marcas de protesto


Grupo critica atuação de minoria que cometeu atos de vandalismo.
Manifestação reuniu cerca de 100 mil pessoas nas ruas da região.


Gustavo Nascimento Amaral chegou ao Centro do Rio às 10h30 para ajudar a remover marcas de protesto (Foto: Cristiane Cardoso/G1)Gustavo Nascimento Amaral chegou ao Centro do Rio às 10h30 para ajudar a remover marcas de protesto (Foto: Cristiane Cardoso/G1)
Estudantes que participaram da manifestação no Centro do Rio na noite desta segunda-feira (17) começaram a chegar ao entorno da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para limpar os vestígios de destruição deixados por uma minoria que praticou atos de vandalismo no final do protesto nas imediações do prédio da Alerj.

"Entre 100 mil pessoas, claro que ia ter um ou outro que queria aparecer. Pra que destruir um patrimônio público? Isso não é um verdadeiro manifesto", declarou o estudante de eletrotécnica  Gustavo Nascimento Amaral, de 19 anos, que trouxe sacolas pra recolher os detritos deixados pelas rua e material de limpeza para ajudar a remover as pichações.
Os jovens se mobilizaram através de redes sociais e começaram a chegar ao Centro por volta das 10h30. O estudante Romulo Mendes, de 19 anos, também criticou o vandalismo. "O pessoal veio e criou-se uma esperança e isso mancha a imagem, tudo isso é fruto vindo do nosso dinheiro. Destruir o patrimônio público vai contra o que estamos reivindicando", declarou.
"A gente não está representando ninguém. Somos amigos que estivemos ontem na Cinelândia e viemos tentar ajudar para mostrar que essa galera não nos representa. Vamos ajudar como podemos, a passeata estava limpa e essas pessoas que fizeram esses estragos não nos representam", declarou o professor Rafael Araruna, de 34 anos, que estava contribuindo com a limpeza junto da engenheira Paula Chalhoub.
Grande maioria participou do ato pacificamente
Após quase sete horas de manifestação, o Batalhão de Choque da Polícia Militar encerrou o ato contra o aumento das passagens de ônibus no Rio de Janeiro, por volta das 23h45 de segunda. O protesto, que reuniu 100 mil pessoas, começou pacífico, mas um pequeno grupo protagonizou atos de vandalismo, transformando o Centro da cidade num verdadeiro cenário de guerra. Sete pessoas foram baleadas com armas de fogo e 13 foram presas. Pouco antes de 1h, a Polícia Civil iniciou a perícia no prédio da Alerj.
Um grupo menor com camisetas amarradas no rosto ateou fogo e depredou prédios históricos, como o Paço Imperial e a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Pelo menos 28 pessoas, entre manifestantes e policiais, ficaram feridos. Durante o tumulto, cerca de 80 PMs se refugiaram no prédio da Alerj. O grupo saiu apenas com a chegada do Batalhão de Choque. Uma tropa da PM vai reforçou a segurança do prédio durante a madrugada.


fonte: G1