domingo, 23 de junho de 2013

Ativo no Facebook, Anonymous assume liderança das manifestações pelo Brasil

Hackativistas crescem abruptamente na rede social e ditam novas diretrizes

 
anonymousReprodução/Facebook
Anonymous conquistou usuários do Facebook com página ativa e bem estruturada

Publicidade
Os hackativistas do grupo Anonymous assumiram uma espécie de liderança (ou, ao menos, servindo de referência) nas manifestações que ocorrem pelo Brasil afora. Eles já faziam parte dos protestos contra o preço das passagens, mas, depois que a meta de redução da tarifa foi atingida e deixou de ser a “força motriz” das passeatas, eles assumiram de vez a dianteira ideológica.
Prova disso é a fanpage principal do Anonymous no Facebook, que teve uma guinada explosiva nos últimos dias.
O crescimento semanal de curtidas, segundo as estatísticas da página, pulou de 7.000 a 8.000 por semana para cerca de 130 mil.
Eram 400 mil fãs na semana passada — hoje, são quase 850 mil. A página, alimentada frequentemente, tem muitos posts por dia.5facebook
Eles englobam a manifestação pela redução da tarifa do transporte público, já efetuada pelos governantes, mas também criticam corrupção, erros de governo, repressão e injustiças do tipo.
Exemplos são os vídeos com declarações polêmicas de Ronaldo (uma gravação de 2011) e de Pelé, ambos ressaltando a “importância” da Copa do Mundo e pedindo que as manifestações fiquem em segundo plano.
“Não se faz Copa com hospital”, foi a frase do Fenômeno, amplamente repugnada na web.
Novas diretrizes
Entre as publicações da página, está também a disseminação de um vídeo, que orienta os manifestantes a se guiarem por cinco novas metas. São novas causas que devem ser os alvos do desdobramento das manifestações.
“Só a diminuição dos valores das passagens não nos satisfaz”, dizem os hackers, em vídeo publicado no YouTube. No entanto, deixaram de lado polêmicas de cunho religioso ou ideológico, para atingir pontos unânimes e cruciais para a evolução política do Brasil.
5
1º: Não à PEC 37;
2º: Saída imediata de Renan Calheiros da presidência do Congresso Nacional;
3º: Imediata investigação e punição de irregularidades nas obras da Copa, pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal;
4º: Queremos uma lei que torne corrupção no Congresso crime hediondo;
5º: Fim do foro privilegiado, pois ele é um ultraje ao Artigo 5º da nossa Constituição.
As manifestações sobre o item número 1, a PEC 37, devem acontecer já nesta semana. É uma proposta de emenda que elimina poderes de investigação do Ministério Público — que, desta forma, não poderia investigar crimes como o Mensalão, por exemplo.
O alcance das manifestações na web chegou amais de 600 milhões de internautas, com oscilações entre uma quase unanimidade a favor dos protestos para uma decepção com os “excessos cometidos”, como vandalismo. Quando a tarifa foi reduzida, uma euforia também tomou conta dos internautas.
Na noite de segunda-feira, a contabilização de usuários somava 79 milhões engajados — ou seja, o salto foi de quase oito vezes no alcance, até a noite de ontem, em 48 horas. O mapeamento foi realizado online pela empresa Scup.
Ataques
O Anonymous divulgou na internet supostos dados pessoais, telefones e bens declarados de muitos dos principais líderes governamentais do Brasil. A lista inclui a presidente, Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, Renan Calheiros, Aécio Neves, Marina Silva, Tarso Genro e muitos outros.
Além disso, eles invadiram o site do PMDB na madrugada de terça para comemorar a grande adesão de pessoas aos protestos. Horas antes dos protestos pelo Brasil, o Anonymous havia invadido o Twitter da revista Veja.
Os sites da SPTrans e da Copa do Mundo também caíram na terça. Secretaria da Educação Estadual de São Paulo, de Transportes, PM e PF caíram antes. Nesta terça-feira, até um suposto affair de um PM com uma mulher casada entrou na lista de vazamentos.




fonte:R7