quarta-feira, 1 de maio de 2013



Povo do axé fará manifestação contra projeto antisacrifício de Marcell Moraes





Um dos assuntos mais comentados na sessão ordinária desta terça-feira (30) foi o polêmico projeto do vereador Marcell Moraes (PV), com o objetivo de criminalizar em Salvador a prática das religiões de matriz africana de sacrificar animais. Desde a última segunda-feira (29), vereadores se opuseram à proposta do ambientalista reafirmando a necessidade de respeitar os rituais religiosos. E a oposição promete aumentar ainda mais: representantes dos povos de axé marcaram uma manifestação para a próxima segunda-feira (6), às 14h, no plenário da Câmara, contra o vereador.

Sobre a promessa de manifestação, Marcell Moraes declarou que encara com tranquilidade. "Será até bom que poderei expor os meus motivos. Sou um defensor da causa dos animais. Não tenho nada contra o candomblé ou qualquer outra religião", explicou o vereador verde.

 
Marcell Moraes também comentou para o Bocão News as declarações do presidente municipal do partido,Luiz Araújo, que se posicionou contrário à proposta. Após as declarações do líder da legenda no âmbito municipal, Marcell ameaçou deixar o partido. "Ele (Luiz Araújo) nem leu o projeto e veio criticar? Ajudei a construir esse partido, tenho uma história", justificou.
 
A pressão pela retirada do projeto vem de dentro pra fora. Na Câmara, vereadores como Sílvio Humberto (PSB), Hilton Coelho (PSOL), Henrique Carballal (PT), Suíca (PT) , Gilmar Santiago (PT) e Fabíola Mansur (PSB) já demonstraram indignação com a proposta.
 
"O vereador Marcell Moraes demonstrou toda a sua intolerância com as religiões de matrizes africanas. O que ele entende como sacrifício, nós vemos como oferendas. Medieval foi o que fizeram com a população negra, que venderam seres humanos como mercadorias. Dizer apenas que Salvador é a capital da negritude e não respeitar as nossas práticas é um atestado de falta de informação. Ele deve ser daqueles que acreditam que Exu é o diabo, enquanto, para nós, é quem abre os trabalhos e os caminhos”, criticou Sílvio Humberto.


fonte: Bocal News.